SUVISA

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

TIPOS DE ATENDIMENTO

Utilize a lista abaixo para encontrar os Locais de Atendimento.

PERGUNTAS FREQUENTES

Utilize a lista abaixo para encontrar uma resposta rápida.

Home | Doenças Imunopreveníveis |

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA


VARICELA/CATAPORA:

Infecção viral, aguda, altamente contagiosa, causada pelo vírus varicela zoster.
Sintomas: tem início com febre baixa, cefaléia, anorexia e vômito. Erupção cutânea pápulo-vesicular que se inicia na face, couro cabeludo ou tronco (distribuição centrípeta). Evolui para crostas entre 3 e 4 dias.
Período de incubação: 14 a 16 dias.
Modo de Transmissão: direta, de pessoa a pessoa, pela infecção do trato respiratório superior, através de gotículas de saliva, espirro, tosse, etc. Indiretamente, pelo contato com a secreção das vesículas e, raramente, pelo contato com objetos contaminados pela secreção dessas vesículas. período de maior risco de transmissão começa 48 horas antes do aparecimento das vesículas e vai até a formação de crostas em todas as lesões. Em crianças previamente saudáveis este período é de geralmente 6 a 8 dias (4 a 6 dias após o surgimento das lesões na pele), porém pode ser mais prolongado (até meses) em indivíduos com imunodeficiência, perdurando por todo o período de surgimento de novas lesões (vesículas).

Em recém – nascidos prematuros ou não e em determinadas circunstâncias: gestantes, adolescentes e adultos, pode ter evolução grave. A infecção materna no primeiro ou no segundo trimestre de gestação pode resultar em embriopatia. Entretanto, o maior risco da varicela é quando ela acomete pacientes imunocomprometidos, podendo atingir inclusive o sistema nervoso central.
O paciente com herpes zoster ativo é contagioso apenas para as pessoas que nunca tiveram catapora, ou seja, nunca foram infectadas pelo vírus Varicella - zoster. Quem nunca teve catapora, se entrar em contato com pacientes com herpes zoster, irá desenvolver catapora, pois esta é sempre a forma inicial de contaminação por este vírus. Ninguém desenvolve herpes zoster sem antes ter tido catapora.

Contatos significativos com varicela:

  • Contato domiciliar contínuo;
  • Permanência junto com o doente durante pelo menos uma hora em ambiente fechado;
  • Contato hospitalar: pessoas internadas no mesmo quarto do doente ou que tenham mantido com ele contato direto prolongado: auxiliares ou técnicos de Enfermagem.

Contato significativo com caso de herpes zoster:

  • Quando houver contato físico (por exemplo, abraços) entre o doente e o suscetível.

Proteção da população:

  • Afastar os acometidos das atividades desenvolvidas na escola, creche, trabalho, etc., por um período de 10 dias, contados a partir da data de aparecimento do exantema, até que todas as lesões tenham evoluído para crosta.
  • Vacinar os indivíduos sob risco de desenvolver formas graves, de acordo com as orientações pertinentes a imunização;
  • Monitorar o aparecimento de novos casos;
  • Investigar os casos graves. ( fonte: Guia de Vigilância Epidemiológica_Ministério da Saúde)

    Coordenação CEI/COVEDI: Maria de Fátima Sá Guirra

    Referência Técnica COVEDI: Adriana Dourado

    Equipe Técnica GT Varicela: Euma Marques

    Colaboradores: CEI/CEADI/CEVESP/VEO


HISTÓRIA DA VARICELA


SUVISA - Superitendência de Vigilância e Proteção da Saúde
Centro Administrativo da Bahia, 4ª Avenida, nº 400, Plataforma VI. lado B, 2º Andar
Salvador/Bahia CEP 41.745-000
Recomendamos Internet Explorer 7 ou superior e Mozilla Firefox 2.5 ou superior Resolução mínima 1024 X 768.
© Copyright 2010. Todos os Direitos Reservados